CEO da VW confirma Porsche e Audi na F-1 em 2026

O que era um forte rumor nos bastidores se tornou informação oficial nesta segunda-feira. Em artigo publicado pela Agência Reuters, o CEO do Grupo Volkswagen, Herbert Diess, confirmou que Porsche e Audi estarão na Fórmula 1 a partir de 2026. A primeira, muito provavelmente, como fornecedora de unidades de potência para a Red Bull (e AlphaTauri). Já a segunda manifestou interesse em adquirir a McLaren, mas também pode buscar parcerias com Willams e Sauber (caso o patrocínio da Alfa Romeo não prossiga).

Diess reconheceu que a discussão sobre a chegada à F-1 no Conselho de Administração do grupo dividiu seus integrantes. Mas destacou que os argumentos apresentados pelos representantes de Porsche e Audi foram inquestionáveis. “Eles nos provaram que poderiam lucrar mais com o envolvimento na categoria do que fora dela”. O dirigente revelou, no entanto, que o envolvimento de ambas em outros campeonatos diminuirá. A Porsche estreia em 2023 seu protótipo LMDh (parceria com a Penske). Já a Audi tem no buggy RS Q e-Tron (Dakar) seu principal programa.

Representantes das duas marcas participaram das discussões da Comissão de F-1 da FIA que determinaram as especificações da nova geração de motores (os V6 1.5 equipados com o MGU-K/Kers, mas sem o MGU-H). Para o Grupo VW, além do valor agregado, pesa também a preocupação com a sustentabilidade demonstrada pela principal categoria do automobilismo – os propulsores usarão gasolinas sem elementos fósseis.

Retorno

Para a Porsche, será um retorno ao circo após 35 anos. A casa de Stuttgart participou como construtora entre 1958 e 1964. De 1983 a 1987, forneceu motores à McLaren de forma privada, com o nome da TAG Heuer. O projeto foi bancado por Mansour Ojjeh, à frente da marca de relógios esportivos. O que valeu quatro títulos consecutivos. Em 1991, os alemães voltaram em parceria com a Footwork (Arrows), mas seu V12, pesado e grande, acabou substituído no meio da temporada por um V8 Ford Cosworth.

Já a Audi não esteve diretamente na F-1, mas uma das marcas que se uniram para formá-la (a Auto Union) participou das corridas de Grand Prix nos anos 1930.

Siga o Racemotor nas redes sociais:

Instagram

Facebook

Twitter

1 Comentário
  1. […] os custos de desenvolvimento e fabricação das unidades de potência. O CEO da VW, Herbert Diess, deixou claro que a presença na F-1 exigirá redução dos investimentos em outras categorias. No Mundial de Endurance (FIA WEC) e na IMSA, a presença da Porsche com o novo protótipo LMDh se […]

Comentário

Este site utiliza cookies para aprimorar sua experiência. Clique em Aceitar se concordar. Aceitar Leia mais